AVSI COMUNICA / Notícias

CONHEçA A NOSSA ATUAçãO NO TEMA EMERGêNCIA HUMANITáRIA

Há 2 anos, atuamos com parceiros para oferecer melhores condições de vida a refugiados e migrantes venezuelanos
Publicada em 17/11/2020
Há 2 anos, atuamos com parceiros para oferecer melhores condições de vida a refugiados venezuelanos

 

“É neste espaço, em um dos cenários de sofrimento do mundo atual, que os migrantes e refugiados aparecem como sujeitos emblemáticos de uma exclusão. A AVSI não termina sua missão ali na emergência, mas faz dela o primeiro passo para revelar e realizar sua meta, que é a promoção dessas pessoas rumo a sua autonomia”, afirma Rosita Milesi, representante do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), sobre o trabalho da AVSI Brasil realizado em Roraima.

 

Em geral, a emergência humanitária é fruto de uma crise – de face política, econômica, social, ambiental, por exemplo – que gera o deslocamento de grandes grupos de pessoas em busca de condições de sobrevivência. As crises humanitárias causam privações de recursos básicos para o ser humano, como alimentação, água e moradia.

 

Em 2018, a instabilidade política, econômica e social instaurada na Venezuela motivou a comunidade internacional ao reconhecimento de uma das maiores crises humanitárias do planeta. Milhares de venezuelanos saíram do país em busca de reconstruir uma nova vida em países vizinhos, incluindo o Brasil, que faz fronteira com o território venezuelano a partir da cidade de Pacaraima, em Roraima.

 

Segundo a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Brasil é o quinto maior anfitrião de venezuelanos deslocados no mundo. De acordo com o último relatório mensal de Roraima, fornecido pela Agência, desde maio de 2018 até setembro de 2020, mais de 25 mil pessoas foram abrigadas em Roraima, sendo 142.897 registradas como refugiadas e migrantes. Ao todo, 43.994 pessoas já foram interiorizadas para outros estados do Brasil pelo programa Operação Acolhida, desde 2018.

 

 

Nossa atuação

 

A AVSI Brasil atua diretamente com o impacto da crise humanitária da Venezuela no Brasil, contribuindo com a Operação Acolhida, força-tarefa humanitária coordenada pelo Governo Federal com o apoio de agências da ONU.

 

“Após décadas de atuação no desenvolvimento, fomos provocados a atuar na emergência humanitária e, fieis a nossa missão, que coloca no centro a pessoa, atuamos com todas as energias disponíveis contribuindo para criar lugares onde os migrantes e refugiados pudessem ser acolhidos, cuidados e apoiados para iniciar um percurso árduo de integração socioeconômica no Brasil”, destaca o diretor-presidente da AVSI Brasil, Fabrizio Pellicelli.

 

A atuação começou em junho de 2018, por meio do projeto de Gestão de Centros de Recepção e Assistência à População Venezuelana em Roraima, com o objetivo de contribuir para o acesso a serviços básicos e respeito aos direitos humanos da população venezuelana em busca de acolhida, através da gestão de 3 abrigos na cidade de Boa Vista.

 

De lá para cá, o projeto cresceu e, atualmente, a AVSI Brasil conta com cerca de 200 colaboradores atuando no gerenciamento de oito dos trezes abrigos da Operação Acolhida existentes em Roraima, que acomodam cerca de quatro mil venezuelanos.

 

É muito bonito ver que os colaboradores da AVSI não estão apenas trabalhando por dinheiro, mas também para apoiar os venezuelanos. Isso me motiva, não apenas a colaborar, mas a buscar soluções para meus problemas diários, junto com minha família”, ressalta a venezuelana Yasmin Carolina Escalona, beneficiária em um dos abrigos.

 

De outubro de 2018 e março de 2019, foi realizado o projeto piloto de Interiorização para o trabalho, direcionado à inserção socioeconômica dos venezuelanos, a partir da migração voluntária para outras cidades no Brasil. A integração socioeconômica implica uma parceria multissetorial que envolve atores públicos locais, sociedade civil e setor privado.

 

Atualmente, a interiorização voluntária para diferentes cidades brasileiras acontece em parceria com o Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), a Fundação AVSI, a AVSI-USA e conta com financiamento do Departamento de População, Refugiados e Migração (PRM) do Governo dos Estados Unidos, com o projeto Acolhidos por Meio do Trabalho.

 

Contemplando crianças de 0 a 6 anos, gestantes e famílias brasileiras e venezuelanas, também é realizado o projeto Scale-Up Urban 95 - Boa Vista, em parceria com a Fundação Bernard van Leer, Prefeitura de Boa Vista e a Fundação AVSI, com o objetivo principal de apoiar políticas e programas de Primeira Infância em Boa Vista, consolidando um modelo operacional sustentável para ampliar a utilização de espaços públicos e promover melhorias na mobilidade.

 

“Tem sido muito gratificante colaborar no Projeto Scale Up Urban 95 - Boa Vista, e principalmente, a experiência de trabalhar com organizações tão diferentes, em um projeto multissetorial e interdisciplinar”, destaca a gerente do projeto, Joana Schettino.

 

Além disso, junto com a UNICEF, a AVSI também colabora com a proteção de crianças e adolescentes que ingressam no país sem a presença de responsáveis, por meio do programa de Proteção Integral a Crianças e Adolescentes Desacompanhados e Separados. Mais de 2 mil crianças já foram atendidas em Boa Vista e Pacaraima.

 

 

Agenda 2030

 

Através das iniciativas e projetos desenvolvidos em Roraima, voltados exclusivamente para o acolhimento, regularização e interiorização de venezuelanos, a AVSI Brasil contribui para nove Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, da Agenda 2030 das Nações Unidas, sendo eles:

 

  • Erradicação da pobreza;
  • Saúde e bem-estar;
  • Educação e Qualidade;
  • Igualdade de gênero;
  • Água potável e saneamento;
  • Trabalho descente e crescimento econômico;
  • Redução de desigualdades;
  • Cidades e comunidades sustentável;
  • Parcerias e Meios de implementação.


Links relacionados

Compartilhe
Imprimir ou enviar por e-mail

 






Sede: Salvador - Bahia - Brasil / 71 3555-3355 / salvador@avsi.org - Filiais e escritórios: Ceará, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Roraima.